Traduzir

Sem Imposições...

Minha visão, sem imposições.





Quero compartilhar com vocês uns acontecimentos e  raciocínios “desconexos” porque eu acredito que no fim, tudo tem uma ligação... 

Essa semana passada estava eu dedicada trabalhando, até que apareceu uma cliente com um pequeno grupo de amigos, interessada em comprar os produtos, eu prestativa apresentava um deles quando fui interrompida pela amiga dela:
- “Você tem uma cruz Ansata!”

Eu que não tinha a menor vontade de me aprofundar no assunto por saber que o símbolo é usado pra representar varias coisas, e já me falaram que eu tinha o símbolo do feminismo, da sociedade  alternativa e da porr* toda, além de que, pra mim só importa o que representa pra mim, respondi afim de encerrar o assunto:
- “ É...! uma Ankh, cruz egípcia.”
Voltei ao atendimento afim de atender bem a amiga super interessada no produto  e educada comigo, masssssssssss, fui interrompida de novo... com um tom incisivo ela disse:
-“Sim, uma cruz egípcia, e ai, você sabe o que significa?”

Me segurei pra não revirar os meus olhos e mandar ela cuidar das tatuagens dela, 
respirei e disse:
- “Sei, vida eterna,  mas na real eu gosto mesmo é de ter símbolos africanos, porque eu sou africana." (enquanto isso ela balançava a cabeça)

Eu poderia ter dito que além de vida eterna  e símbolo africano eu acho bonito a cruz representar a junção de Osiris e Iris, o feminino e o masculino, necessário pra vida, mas na real eu só queria terminar minha venda porque já era o fim do meu expediente... 

Com um tom insistente como quem estava me julgando a estúpida e ignorante; (era isso que a feição dela dizia) ela riu...

- “Isso não é um símbolo Africano, é EGIPCIO!"
E eu só queria ir embora mano...
-“ Sim, moça, o Egito fica na África, sendo assim, um símbolo Egípcio é um símbolo africano...”
Ela:
- “ Não, não! O Egito não fica na África, você esta enganada”
Enquanto isso as outras vendedoras observavam perplexas com a vontade daquela moça de estar certa pra uma pessoa que ela mal conhece... Afim de encerrar eu só disse:
- “moça, muita gente não sabe, mas África é um continente e não relacionam o Egito com ela mesmo, é o que querem que a gente pense..."
Ela:
-“Nã...”
Eu
- “Ta, moça.”



Finalizei a compra da amiga dela enquanto ela saia ansiosa pra contar pros amigos dela alto o suficiente pra que eu pudesse ouvir o quanto eu era estúpida, no nível de tatuar algo que eu nem sei a origem... Eu não me senti mal, não tenho muita sede por estar certa... só fiquei pensando se ela iria jogar no Google quando chegasse em casa Rs...


  Outro dia, na mesma semana, no mesmo Shopping, como sempre, passaram uns muleques, adolescentes, claro, ''tumultuando''. O traje deles era “FUNK”, como sempre, todo mundo começou a olhar como se desaprovassem e condenassem tal bagunça... até ai, ok, mas  começaram os comentários de dois conhecidos meus;
“Tinha que ser funkeiro!” “aff, essa raça! Porque que existem?” “lixos” 
Daí pra baixo... o que acionou o meu lado fúria (até porque eu estava no ápice da TPM)

Comecei a questioná-los com base no fato que eu sei que eles moram em lugares semelhantes, se pá são até vizinhos, e fazem parte da mesma classe social... Eu disse que eles poderiam se achar melhores, por se vestirem de acordo com outro padrão e escutarem só músicas pop,de rádio, mas pra quem tá olhando de cima é tudo a mesma coisa,
 as respostas eram 
– “Eu não gosto de funk, VOCÊ gosta de funk?” esperando uma reação negativa de mim...  – “roupa de funkeiro é... “  -“ mas funkeiro arrasta”...

- “mano! O ser humano arrasta! E a moda funk tem mais informação de moda do que vocês pensam...”
    Denigrem uma cultura que "representa" e une pessoas com certas caracteristicas e somos tão estupidos, que por temos  outros gostos,mesmo sendo da mesma classe social, nos sentimos superiores.




(Ok, vou chegar em algum lugar... sou geminiana, meu raciocínio é assim mesmo...)

O Tênis, O Ponto de Vista, A semente, O ego, A Falta de Informação.


Sempre penso nisso...

     Li uma vez uma coisa que nunca esqueci; um discurso escravista que ensinava as melhores e mais eficazes formas de “controlar” os escravos e até “corrompê-los”.
   
        Resumindo a fita era;
 ensinar que mais eficaz e duradouro do que só chicotes e correntes seriam as sementes plantadas de tal forma, que eles colheriam e plantariam de novo pra próxima geração...

EGOCENTRISMO X AUTO ESTIMA!


  É uma parada que vem de brinde em todo ser humano, muito diferente da convicção e da seguranças,mas por muitas vezes confundida  com a auto estima,  é uma parada que pode ser alimentada pelo próprio e por terceiros, e quando muito alimentado, nos faz invejar e brigar por atenção.Quando ferido, nos faz sentir raiva, brigar também e até nos dá complexo de inferioridade.

    Nos faz criar um diabo pra por a culpa, diminuir o que é do próximo pra exaltar o que é nosso, aquela necessidade de dizer que tudo é falso pra dizer que o seu é verdadeiro.
      Ele é uma das vozes nas nossas cabeças... muitas vezes não sabemos quem tá falando, se é a razão, a emoção ou o ego... O ego tem uma fome infinita e mantém o Show Business de pé.



De volta ao discurso escravista...

No séculos  18 e 19 (não sei se no Brasil... ) o escravo mais claro tinha o privilégio de trabalhar na casa e o de pele mais escura era forçado a trabalhar no campo...
Ego! Alimenta o de um e fere o do outro pra ver!
O escravo claro pode supostamente começar a se achar melhor que os escuros, talvez não, talvez  ele enxergue que só está recebendo um grão de migalha a mais, talvez os mais escuros  pensem que esse privilégio é só mais uma estupidez dos escravistas nojentos, mas talvez, eles comecem a olhar esse escravo mais claro com um olhar diferente, talvez eles queiram  estar no lugar dele e trabalhar na sombra, talvez um ou outro ache que ele esta se achando... talvez alguns mais escuros se separem dos mais claros...talvez, suposições! Talvez  os tatatatatatatatatataranetos do de pele clara sejam membros de uma gangue de negros que mate outros negros... Sei lá, os tatataranetos deles podem morar no Eliza e não se “misturarem”  não se consideram favelados nem se comovem com quem é favelado... mal reparem na menina menor apanhando de policiais homens na viela do lado de sua casa, mas faça um texto revoltado e indignado sobre o dia que ele resolveu por o seu cachecol no pescoço e ir no protesto na paulista e sofreu opressão policial (Bombas, tiro de borracha e spray de pimenta é fichinha pra nós, acredite.)... Talvez, não to dizendo que é... sei lá...
Eu posso estar chapando...

Ter atitude é o que?


É ir contra imposições? Ser você mesmo?  Ir contra os padrões?  “Ter atitude” em algum lugar é imposição?


A falta de informação L!


O que ela faz? Uma pessoa arrogante ou insegura?   É relativo... Mas um fato é que ou a pessoa será totalmente inflexível ou totalmente persuasível... Sem equilíbrio...  Refém da massa e dos padrões, o Brasil é um país totalmente sem autoestima, o que o faz refém de imposições aparentemente  despretensiosas e inocentes, pessoas ignorantes e inseguras são mais fáceis de lidar e convencer... fato! Controlam a nossa educação porque gente que questiona é um perigo... não é vantagem... O inimigo sorri e estende a mão, tem muito e te dá pouco, quase nada, mas você acha que é alguma coisa, você se sente até grato... digo mais, você come migalha na mesa e ri de quem ta comendo migalha no chão... se depender deles, nossas crianças vão crescer achando que o Egito não faz parte da África, que a Cleópatra parecia a Elizabeth Taylor, só irão associar o nome África a fome e animais selvagens... No máximo saberão quem foi Fridah Kahlo ( com todo o respeito a ela) mas Angela Davis se você quiser que eles conheçam será  o seu papel apresentar!   Se depender deles as crianças com menos condições e famílias desestruturadas continuarão tendo vocabulário limitado, acreditando no que o governo quer que elas acreditem  e rindo de quem fala algo inteligente, pra quê escola né? Vamos fazer cadeias! Se depender deles a gente vai ter que “Desensinar” muita coisa que ensinam nossas crianças na escola... Na  real tudo ta nas nossas mãos.



Cultura, Postura e Vestimenta... Reflexo?

Nossa postura geralmente condiz com o que a gente aprendeu ou com o que a gente quer mostrar.
Falando de vestimenta, e não generalizando, nas culturas brancas a partir de um tempo ter atitude inclui calças rasgadas, cabelo bagunçado,  roupas escuras e tênis sujo.



Na cultura Hip Hop temos muito apego aos cortes de cabelo impecáveis e criativos e acessórios, até curtimos também nos vestir com cores escuras, mas o nosso tênis? Ah!  o nosso tênis, Não pise nos nossos tênis!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Uma coisa que é clara é que o tênis é um simbolo forte da nossa cultura...

Não sei  se essa nossa postura em relação ao tênis é  uma de nossas manifestações de protestos, assim como acredito que o nosso cabelo é, Não sei se o “branco” pra se rebelar e mostrar atitude quis rasgar e sujar tudo e com a imagem dizer: “é isso memo, tenho atitude!” E o preto sempre se apegou ao look impecável pra mostrar com a imagem: “Eu exijo o limpo, eu coleciono e  eu exijo o melhor” não sei, talvez tenha a ver, talvez não, talvez seja o afrontamento de cada cultura, não sei... eu só sei que eu não gosto que ninguém pise no meu tênis.

Esse post não tem como objetivo esclarecer nada, só queriamos tocar em alguns assuntos.
Com amor,
 Tracie e Tasha, PEACE Y'ALL!!!!!!!!!!





Um comentário:

  1. de onde é o gif que tem a frase "...let me thik about it"?

    ResponderExcluir